sexta-feira, 18 de setembro de 2009

O Jogo, novamente

Pressentimento é algo complicado. Em primeiro lugar porque é tão confiável quanto uma roda de carro de ferro velho. Segundo: mesmo que saibamos o quanto arriscado é, nos agarramos demais à hipótese, quase a tornamos real.

Bom, o que eu quero dizer com tudo isso?

Mas alguém realmente iria ligar? Iria. Ainda.

Com um trip-hop ao fundo, apenas a tela do notebook iluminando o pequeno ambiente.

As coisas não são meramente porque são. Elas são porque outras coisas as fizeram ser assim.

Compreenda, a cafeína não afeta isso. Duvido que alguma droga qualquer pudesse ter capacidade de afetar.

Como disse uma vez o titio Manson, nem todas as drogas do mundo podem te salvar de ti mesmo.

Ah, mente, cérebro, coisa complicada. Viver. Não viver. Mesmo vegetar. Mesmo ser um covarde. Aliás, plagiando, muitas vezes é mais difícil ainda ser covarde. E não tem nada a ver com auto-estima. Desde a vontade, até o conhecimento de que sem agir não ocorrerá nada. O fato de conhecer a própria capacidade, o próprio limite.

Muitas vezes, a inércia é a opção mais complicada.

E continuo precisando de café.

2 comentários ébrios:

SO.L. disse...

É, jogar.

Mania que a gente tem de brilhar, quando vezes basta não sermos os mais descordenados.

É, desce o café.

Drikah ;] disse...

"As coisas não são meramente porque são. Elas são porque outras coisas as fizeram ser assim."

ou outras pessoas as fizeram também... Enfim, faz muito sentido também...