sábado, 26 de setembro de 2009

Ah, a vida...

Ontem à noite, faminta depois de sair do coral, fui num famoso restaurante de comidas supostamente árabes para comer algo. Resolvi levar para comer em casa e fui para a parada de ônibus. Já na parada, um garoto de uns dezoito anos, no máximo, me abordou pedindo dinheiro. Na verdade, não ouvi o que ele disse, pois estava com os fones de ouvido nas orelhas, mas como esse mesmo garoto já havia me abordado diversas outras vezes, sabia o que ele queria.

Então eu tirei os fones, abri a mochila, peguei minha carteira e perguntei pro cara quanto ele queria. Eu juro que não tive intenção nenhuma de ofender ele. Mas ele debochou de mim, dizendo que aceitava cartões de crédito, e que se eu pudesse fazer um depósito de uns dez mil ele ficaria feliz. Eu fiquei com muita vergonha, pois não fiz a pergunta por mal, apenas porque não havia entendido o que ele tinha falado enquanto ouvia música.

Depois de fazer muita piada de mim, eu dei o troco que eu tinha pego no restaurante a ele, que foi pedir dinheiro pra pessoa ao lado. Me senti uma idiota depois daquilo. Eu, tenho 17 anos, trabalho todos os dias pra ter o meu dinheiro. E ele, que me parece ser bem saudável, pede dinheiro para outras pessoas asim como eu, e debocha de quem lhe dá dinheiro.

Enfim, não entendo esse capitalismo.

3 comentários ébrios:

Marconi disse...

Oo

É, mas acho que isso deve acontecer fora do capitalismo também...

Caçoar de quem te ajuda, eu não ajudava mais depois disso.

Cumprimentos...
o/

Drikah ;] disse...

Eu sempre ajudo.
Claro que, nunca caçoaram antes.

Mas enfim, eu sempre ajudo...

Menos disse...

Já entrei em algumas discussões (nada de brigas, claro) por tal assunto. Minha mãe dá esmolas. Eu, não. Sou contra, ainda mais quando o sujeito é quase completamente apto a ganhar o próprio, ao menos aparentemente. E não tenho tempo pra analisar a vida dos pedintes.
Mas isso não é política ou religião (ou qualquer outro assunto mais relevante do gênero). Ao menos não de forma direta. Se alguém tem opinião contrária e tem seus motivos então ótimo! O meu dinheiro não gasto assim.